Percy Jackson Portugal
Faça o seu registo/login! É muito importante para poder usufruir das nossas actividades! Very Happy

Divirta-se! Razz

Pedido de Missão (Oráculo)

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Maighel Fox em Seg Nov 28, 2011 10:25 pm


Individual ou em Grupo: Individual.
Nome(s) do(s) participante(s): Maighel Fox.
Equipamento que irão levar na missão: Klaudo, Dinheiro Mortal, Dracmas, Comida, Manta, Mochila.
Porque quer ir em missão? Após uma missão bem-sucedida anteriormente, quero provar que posso ser ainda melhor !

sunny
avatar
Maighel Fox


Dracmas : 38,5
Poder : Sol
Pégaso : Nenhum

Ficha Meio-Sangue
Estratégia:
10/1000  (10/1000)
Conhecimento:
10/1000  (10/1000)
Nível:
1/5  (1/5)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Oráculo em Seg Nov 28, 2011 10:33 pm

"ATENÇÃO: Caso já tenha feito uma missão terá de esperar 3 dias, para poder efectuar outra."

Já há uma profecia em mente para ti. No entanto, não poderás pedir uma nova missão até Quinta-feira. O tópico não será bloqueado. Passados os 3 dias, poderás voltar aqui e dizeres que não desististe do pedido de missão e então a profecia será publicada.
avatar
Oráculo


Dracmas : 10

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Maighel Fox em Qui Dez 01, 2011 1:16 am


Penso que o Oráculo já pode ditar a profecia, visto terem passado 3 dias ! Wink
avatar
Maighel Fox


Dracmas : 38,5
Poder : Sol
Pégaso : Nenhum

Ficha Meio-Sangue
Estratégia:
10/1000  (10/1000)
Conhecimento:
10/1000  (10/1000)
Nível:
1/5  (1/5)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Oráculo em Sex Dez 02, 2011 11:16 pm

Filho de Poeta, o coração seguirás:
Seguindo a música caminharás.

Da antiga civilização
Eruditos poetas vieram.
Lunáticos, diziam alguns;
falsos, segundo outros.
Oráculos antes de mim
sua mensagem enviaram.

Se as musas te inspirarem, a profecia cumprirás.
Se as belas te rejeitarem, então falharás
E indigno serás.
avatar
Oráculo


Dracmas : 10

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Maighel Fox em Sab Dez 03, 2011 1:57 am

"Ah" foi o meu primeiro pensamento, quando acabei de ouvir a profecia "O quê ?".
Após aqueles dias de chuva intensa que se avizinhavam no acampamento, pensava seriamente em voltar a fazer uma missão, mas agora que havia recebido uma, só me apetecia voltar para a cabana, para ao pé dos meus irmãos. Era sempre assim.
Por norma, os mestiços, quando na colónia, estavam sempre aborrecidos e no "Dolce Fare Niente", queixosos, dizendo que lhes faltava acção. Quando finalmente recebiam uma missão, ficavam atormentados, e queriam desistir. Mas no fundo, no fundo, eles tinham a determinação necessária para vencer os obstáculos duma missão. Desci as escadas poeirentas que levavam ao sotão lentamente, até á sala de estar. Normalmente vazia, naquele dia encontrava-se ocupada por duas das minhas pessoas favoritas na colónia.
Anders era o mestiço dinamarquês de 19 anos, que vivia na colónia desde pequeno, mas que agora ocupava o cargo de director de actividades da colónia. A seu lado estava o Sr. D., que eu solenamente adorava, pelos jogos de poquer sempre animados e pelo seu ar caraterístico de quem tinha andando na farra até tarde. Embora embirasse com tudo e todos nos seus dias de má disposição, por norma, o Sr. D. até era bastante divertido. Contava anedotas, fazia competições de quem aguentava mais tempo a beber shots, e, obviamente, era o campeão da colónia. Nem quero imaginar se fosse vinho.
- Mmmh - disse Anders, olhando para mim e coçando o queixo, ao qual lhe tinha crescido uma pequena barba - Missão ?
- Sim - anui eu, acenando com a cabeça - Embora não tenha entendido muito bem o que o oráculo diz.
- Maighel, de certeza - sublinhou Anders - Que o Oráculo disse alguma coisa que te sirva de guia no início.
- Bem - disse eu - Ele disse para seguir o caminho do meu coração.
- Pois - resmungou o Sr. D., atento ao jogo - Como filho de Apolo, se o Oráculo não dissesse isso é que era de estranhar.
- Olá para si também, Sr. D. - sorri eu - Parece que durante uma semaninhas vai poder ganhar os jogos de poquer.
- Pff ' - desdenhou o deus do vinho, olhando para mim com desprezo - Se eu quisesse, já te tinha ganho á muito.
Afastou-se com o queixo inclinado, á medida que eu me ria, e Anders abanava a cabeça, sorrindo.
- Passo pela tua cabana para te ir buscar daqui a meia-hora - avisou Anders, agora mais sério.
- Ok - concordei eu, fazendo um sinal com o polegar a indicar positivo.
Saí para o frio ar invernal de Long Island fechando o casaco. Depois, pus a boca na parte da bainha do mesmo para me proteger do ar frio, e corri pelos longos passeios calcetados da colónia.
Cheguei á pequena praça das cabanas, em forma de U invertido, e entrei na cabana 7, para arrumar as minhas malas e me preparar para a missão. Quando abri a porta, ouvi um grito e senti um abraço apertado. Era a minha irmã, Alice.
avatar
Maighel Fox


Dracmas : 38,5
Poder : Sol
Pégaso : Nenhum

Ficha Meio-Sangue
Estratégia:
10/1000  (10/1000)
Conhecimento:
10/1000  (10/1000)
Nível:
1/5  (1/5)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Maighel Fox em Sab Dez 03, 2011 2:32 am

Alice soltou-me do abraço, fitando-me com os seus belos olhos castanhos e disse:
- Previsões ? Como foi ? Como correu ? - perguntou ela.
- Calma, Alice - ri-me eu, dirigindo-me á minha cama.
Alice exibia um ar triste, e percebi porquê. Agora que iria partir, ela ficaria sozinha na cabana. O nosso irmão Micaelis estava já em missão há algum tempo, e agora também eu iria. Sentei-me na beira da cama, e comecei a escolher roupa quente, mas desportiva, para permitir maior mobilidade.
- Previsões, perguntas-te tu ? - questionei eu, absorto, dobrando umas velhas peúgas com alguns sóis, que me tinha sido oferecida nos anos, por Micaelis.
- Sim - disse Alice, aos pulinhos e esfregando as mãos, com o frio.
Atirei-lhe um casaco, também me oferecido nos anos, com uma paródia á marca Puma, dizendo "Pumba!", com uma sombra obscena, que me tinha sido oferecida, por Marphin, via-correio. Alice vestiu-o, e sentou-se na borda da minha cama, a meu lado.
- Se queres que te diga - disse eu, dobrando uma t-shirt da Adidas, e olhando para ela por momentos - Nem entendi muito bem. Diz que tenho de seguir o meu coração, que se eu rejeitar as belas, mal sucedido serei, mas que tenho de me inspirar nas musas - suspirei e disse - Para mim, foi uma confusão. Mas sim - disse eu, adivinhando as palavras de Alice - Seguirei o meu coração.
Alice sorriu e deu-me mais um abraço:
- Vou ter tantas saudades do meu maninho !
Sorri e repeti o gesto, dizendo:
- Também vou ter saudades, mas missões é algo normal na vida de um mestiço.
Acabei de preparar a roupa, fechando o fecho eclair da mochila, e vestindo um casaco de carapuço, quentinho. Esfreguei as mãos, e apontei-as á lareira, atiçando o lume e aumentando o calor ambiente.
- Agora... - disse eu - É esperar pelo Anders.
Esperámos num silêncio constragedor, de quem se iria separar, mas não queria. Ouvimos bater á porta e era Jason.
- Alice, queria saber se hoje querias comer na nossa mesa e... - olhou para a cara dela e para a mochila que eu envergava ás costas e disse - Oh, tu vais em missão, não é ?
Acenei afirmativamente e Jason encolheu os lábios, dizendo:
- Boa-Sorte meu. Espero que te safes.
- Obrigado - agradeci eu, com um sorriso.
Por trás de Jason apareceu Anders, entrando e secando as sapatilhas no tapete da entrada.
- Estás pronto - perguntou ele, retirando o carapuço do impermeável.
Acenei e dei um abraço a Jason. Depois, virei-me para Alice, e dei-lhe um abraço apertado. Ela deu-me um beijo na face, e disse:
- Vai correr tudo bem.
Depois, pôs-me uma fotografia na mão... Uma fotografia em que estava eu, Alice e Micaelis, na praia, em fato de banho, todos sorrisos. Tinha sido tirada nas férias de verão, após uma festa em relação ao 4 de Julho.
- Aconteca o que acontecer, nunca te esqueças dos teus irmãos - pediu ela.
Senti carinho pela minha irmã. Na primeira missão, quando parti, a maior parte dos abraços tinha sido dada por Micaelis, mas nessa altura, tudo era diferente. Tinha chegado á colónia á pouco tempo e ainda não conheçia ninguém a não ser a ele e a André. Mas agora tudo era diferente. Tinhamos-nos aproximado uns dos outros, e constituíamos um grupo unido. Dei um último abraço á minha irmã, sussurando:
- Prometo... Nunca me esquecerei.
Depois, olhei para Anders, e saímos para o ar frio de fora da cabana 7, deixando atrás de nós Alice e Jason, com uma cara triste. Agora, eram apenas eles na colónia.
avatar
Maighel Fox


Dracmas : 38,5
Poder : Sol
Pégaso : Nenhum

Ficha Meio-Sangue
Estratégia:
10/1000  (10/1000)
Conhecimento:
10/1000  (10/1000)
Nível:
1/5  (1/5)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Maighel Fox em Sab Dez 03, 2011 12:08 pm


Dirigimos-nos pela aura nórdica fria, tentando aquecer-nos esfregando as mãos.
- Este é daqueles dias em que me apetecia receber luvas no Natal - disse Anders, vendo o seu bafo aparecer e desaparecer á medida que respirava.
Estava estranhamente silencioso. O desconhecido atormenta sempre o ser humano, e não saber o que me esperava lá fora matava-me por dentro. Passámos pela casa grande e olhei pelas janelas. Dionisio encontrava-se, numa mesa de poquer a jogar com meia dúzia de centauros, com um ar felicissimo.
- Ele deve estar muito contente - riu-se Anders - Afinal de contas, agora ele pode ganhar á vontade.
Sorri, mas continuei calado, consciente da minha tristeza.
- Gostas muito dos teus irmãos, não gostas ? - sorriu-me Anders.
Não sei como, nem porquê, mas ele tinha entendido o que eu estava a sentir.
- Sim, adoro-os - anui eu, por entre a gola do casaco puxada até ao nariz - São demais, eles. Por entre 7 biliões de pessoas neste mundo, aqueles dois são os melhores.
Anders fitou-me, sorrindo, e continuámos a caminhar. Chegámos finalmente aos portões douradas da colónia, e saimos da protecção da mesma. Seguimos até um pequeno espaço de terra enlameada aonde eram guardados os carros que levavam os mestiços ao aeroporto. Estavam dois guardas enconstado aos carros. Ambos acenaram a Anders, que os cumprimentou com um aperto de mãos, antes de entrar no carro que nos levaria ao aeroporto. Entrei também e disse:
- Desta vez, sou eu que pônho a música.
Anders sorriu e anuiu. Por entre vários cd's acabei por escolher o Meteora, dos Linkin Park, e seguimos toda a viagem ao som de Hit the Floor, entre outra músicas. Os campos de morangos passavam por nós em rajadas, á medida que, com o AC ligado, nos divertiamos contando anedotas, e por vezes, calados ao som da música.
Quando finalmente chegámos ao aeroporto, Anders deu-me dracmas e algum dinheiro mortal, e disse:
- Já sabes mais ou menos para onde vais ?
- Ainda não - respondi eu, mas pode ser que haja alguma pista pelo aeroporto.
- Bem, boa-sorte, miúdo. Estou contigo.
Sorri, á medida que Anders me dava um abraço, batendo as palmas dele nas minhas costas, e caminhando em direcção ao carro. Depois, virei-me para as portas do aeroporto, e tive uma breve imagem na minha cabeça. Tratava-se de um deserto muito quente, e arenoso, dentro do qual, ao fundo se estendia uma grande cidade, moderna. Uma ave atravessou o deserto, e ao ter contacto com a luz do sol, incendiou-se. Aquilo só podia dar um lugar...
- Phoenix ! - exclamei eu.
avatar
Maighel Fox


Dracmas : 38,5
Poder : Sol
Pégaso : Nenhum

Ficha Meio-Sangue
Estratégia:
10/1000  (10/1000)
Conhecimento:
10/1000  (10/1000)
Nível:
1/5  (1/5)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Maighel Fox em Dom Dez 04, 2011 11:42 pm


Subi as escadas a correr e olhei para o placar de vôos.
Phoenix . Hora de Embarque: 10:45 . Hangar: 12 .
Depois, dei uma olhadela no relógio e verifiquei que eram 10:17.
- M**** - exclamei eu, tendo, como recompensa, vários olhares carrancudos - Tenho de lá chegar !
Corri o mais depressa que me foi possível. Fiz o check-in, passando á frente de várias pessoas, pedindo desculpa, e dizendo que era urgente. Após todas as etapas (as armas não foram detectadas por serem em metáis olímpicos), corri pelo corredor em direcção ao hangar 12. Na corrida choquei contra um miúdo um pouco mais velho que eu, fazendo o cair, e fazendo com que a mochila caisse.
- Desculpe - disse eu, apanhando as coisas do chão.
- Meu, vê mas é por onde andas, oh palhaço - disse o rapaz, mal humorado.
- Desculpe... - repeti eu, evitando os sarilhos que o rapaz, obviamente, procurava.
- Desculpe nada ! - disse ele, aproximando-se.
- Ei - disse eu, levantando as duas mãos - Paz, não quero sarilhos.
Avaliei o rapaz, era um pouco mais baixo que eu, borbulhento, mas tinha um aspecto forte de alguém que praticava futebol americano, e que, provavelmente estava habituado a malhar os miúdos mais pequenos nas escolas.
- Mas foi isso que arranjaste - disse ele, aproximando-se.
O rapaz não podia adivinhar que eu era escalão profissional em Box, cinturão negro a Karaté, TaeKwonDo e Judo quando atacou. Atirou um soco, obviamente mal mandado, e agarrei a sua mão, torcendo-lhe o braço. Depois, verifiquei o relógio, vendo que faltavam apenas 3 minutos para o avião arrancar.
- Pena - disse eu, despachando-me - Não te queria aleijar.
O rapaz forçou-me com um empurrão a largar o braço. O meu plano original era apenas intimidá-lo, mas parecia que não poderia ser. Usando primeiramente o TaeKwonDo, rodei o meu corpo atingindo com um pontapé muito rápido e forte no seu queixo. Isto projectou-o alguns passos para trás. Corri para a frente e, agarrando-lhe o braço, torci-o. O rapaz estava sozinho, tinha 19 anos, e provavelmente ir ter com a familia a algum lugar distante. Talvez fosse algum aluno que, antes, tinha sido menor emancipado. Se ia ter com a familia, pena que não chegasse inteiro.
Com o braço dele torcido, dei um esticão e acertei com a palma da mão no seu cotovelo, despedaçando o osso e rasgando os tendões. O rapaz gritou de dor, caindo no chão.
- Azar, miúdo - disse Maighel, sem piedade.
Corri até á porta do hangar, e foi com terror que vi o avião a começar a fechar as portas. Corri ao meu máximo, olhando para o sol e pensando "Por favor, pai, por favor". Não tinha tempo, ia ter de esperar pelo outro avião. Atirei-me para a frente, subindo as escadas rapidamente e atirando-me para dentro no último momento. Ignorando os olhares surpreendidos dos ocupantes, levantei-me, inclinando a cabeça, para compor os cabelos, e ajeitando a camisola.
Depois, com alívio dirigi-me ao banco do avião. Apertei os cintos, e senti o avião entrar no terreno de Zeus. O espaço aéreo.
avatar
Maighel Fox


Dracmas : 38,5
Poder : Sol
Pégaso : Nenhum

Ficha Meio-Sangue
Estratégia:
10/1000  (10/1000)
Conhecimento:
10/1000  (10/1000)
Nível:
1/5  (1/5)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Maighel Fox em Seg Dez 05, 2011 2:47 pm


A viagem foi estranhamente tranquila, sabendo eu que algo perigoso estava lá em baixo, há minha espera. Aterrámos em Phoenix, eram já 6 da tarde, debaixo de um calor abrasador, e seco. Fiz o check-out e sai para o ar quente de Phoenix, no Arizona. Respirei fundo, ficando totalmente alegre. O ar seco e quente faziam-me sentir feliz, debaixo dos raios de sol do meu pai. Olhei para cima, piscando os olhos e pensando "No teu território de preferência, chefe". O sol brilhou mais sobre mim, e pensei vislumbrar um pequeno sorriso por entre os raios, o que era praticamente impossível, mas tinha muito significado para mim.
Percorri a rotunda movimentada em frente ao aeroporto de Phoenix,e levantei a mão, chamando a atenção de um táxi. Após, dirigimos-nos para o centro da "cidade do sol", e sai numa longa avenida, cheia de lojas de roupas e outras coisas fúteis. Percorri-a, ciente de que aquele tipo de rua não ia ser um lugar aonde eu viveria, e após três ou quatro lojas "Gucci", e "Tiffosi", fartei-me e virei para uma viela que saía do lado esquerdo. A desilusão foi total. Continuava a haver lojas, agora não de roupa, mas sim de informática. Percebi que tinha sido um erro sair naquela zona da cidade. Provavelmente nuns arredores distantes haveria alguma taberna aonde podia comer um pão com manteiga de amendoim e sumo de uva. Mas não, tinha-me dirigido ao centro da cidade, aonde eram apenas centros financeiros e lojas caras. Bufei, e voltei a chamar um táxi. Pedi-lhe que se dirigisse á periferia da cidade, mantendo-se num local não muito vazio.
Dirigimos-nos a um lugar vagamente povoado, sendo que as casas de nível médio, mas piso rasteiro se encontravam bastante distantes umas das outras.
O taxista deixou-me numa pequena paragem de autocarros, entre um caminho de terra batida, e uma casa de aspecto rico.
Caminhei por alguns metros debaixo de um calor abrasador, até uma pequena hambúrgueria, típico do deserto, aonde pedi um hambúrguer Texas, cheio de molho Barbecue. Quando serviram menu completo, com uma Coca-Cola de litro e meio, batatas fritas, cebola frita e o hambúrguer, lambi os lábios, antes de dar a trinca mais saborosa que alguma vez tinha dado.
- Está bom, meu jovem ? - perguntou a empregada, pousando a mão na minha mesa.
- Delicioso - sorri eu, antes de dar a segunda trinca.
A mulher sorriu, olhando para mim lambendo os lábios, antes de dizer:
- É pena... - respondeu a velha mulher.
Suspeitei a sua voz triste e perguntei, de sobrolho erguido:
- Pena de quê ?
- Pena que seja a tua última refeição.
Sorriu, á medida que os seus olhos escureciam e ganhava dentes e unhas mais afiados. Á sua volta tudo escureceu, e ela tentou atacar-me. Atirei-me para a frente e projectei um vento solar, queimando-lhe a pele. Ela rugiu, e vi brilharem nos seus olhos malvados a cara de milhares de crianças assustadas. Retirei a Klaudo do bolso, e preparei-me para combater a terrível mulher. Era Lâmia, a mulher outrora rainha da Líbia, mas que se tinha tornado no demónio devorador de crianças. Inflamei as mãos, á medida que ela rugia e eu segurava a Klaudo.
- Vamos lá, velha bruxa - disse eu, com raiva daquela criatura.
avatar
Maighel Fox


Dracmas : 38,5
Poder : Sol
Pégaso : Nenhum

Ficha Meio-Sangue
Estratégia:
10/1000  (10/1000)
Conhecimento:
10/1000  (10/1000)
Nível:
1/5  (1/5)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Maighel Fox em Ter Dez 06, 2011 1:55 pm

Ouviu-se um rugido fenomenal, e a criatura atirou-se a mim com as garras afiadas.
Saltei para o lado, com a Klaudo na mão esquerda, numa direcção horizontal, trespaçando-lhe- a perna, de forma violenta. Lâmia gemeu de dor, e, gritando, passou as suas malvadas unhas pelo meu ventre, esventrando-o. Gritei de dor, mas consegui manter a consciência. Primeiramente espetei a Klaudo no chão, subindo o corpo todo, e vindo para trás, antes de a puxar com força e acertar com o cabo da mesma e embater no monstro, projectando-o para trás. Sabia que se continuasse a lutar usando apenas a espada, a luta se prolongaria para sempre e apenas me cansaria. Tinha de usar algo mais ao meu tipo... Algo que Apolo soubesse usar melhor que ninguém... Mas para isso, primeiramente tinha de afastar o monstro. Golpeei o monstro no pulso, fazendo jorrar um sangue de um preto escuro, que fazia lembrar a morte. Á medida que o sangue percorria o chão, tudo á sua volta flamescia e derretia. Percebi, então, de que já tinha ouvido sobre isso. O sangue de Lâmia provocava a morte e destruição de tudo em que tocava. Saltei para cima da mesa plástica, e pulei espetando a Klaudo no seu ombro, caindo atrás da criatura á medida que ela gritava:
- Seu ignorante - desdenhou ela, rugindo - Para quê lutar senão podes vencer ?
A Klaudo tinha ficado espetada no ombro de Lâmia, fazendo-me ficar indefeso. Estava tudo nas mãos dela. Tinha de usar os meus poderes. Baixei-me á medida que sombras flamejantes daquele negro sanguíneo queimava o chão. Pus a mão no piso, concentrando a minha força toda a na minha mão. Imediatamente se formou hidrogénio, fazendo o ar um pouco mais húmido por momentos, seguido de hélio, que começou a inflamar, antes de explodir. O fogo expandiu-se no ar á minha volta, queimando tudo, e fazendo a Lâmia gritar de dor. Podia fazê-la morrer queimada, mas isso faria com que ela voltasse mais forte, pois iria ficar feita em cinzas. Recuei para trás, rebolando, e saquei do meu arco, Santólis. Apontei-a para Lâmia, enquanto esta tentava caminhar para mim, debaixo de fogo intenso. O seu sangue ainda jorrava no chão, derretendo o piso de azulejos. Estiquei o arco, mas antes de largar, apertei a ponta da flecha, inflamando-a. Depois , apontei o dedo para Lâmia, formando Hélio.
- Super-Nova ! - gritei eu.
Larguei o arco, e a flecha, vendo o raio de fogo atravessar a divisão. Comecei a correr para trás, afastando-me da explosão. Quando a flecha acertou na Lâmia, vi pelo canto do olho pedaços de carne voarem, atravessando as mesas, antes de desaparecerem em pó. Baixei-me, sendo projectado pelo calor da explosão, á medida que uma costeleta de Lâmia passava por mim, tranformando-se em pó. Quando o calor passou, e vi que o restaurante estava destruido, com um suspiro dirigi-me ao centro da divisão, aonde o sangue coagulado se encontrava. Peguei num frasco de vidro olímpico, sabendo que era o único pedaço de vidro que não derreteria com o sangue da criatura, e arranjei um bocado do líquido, fechando a tampa. Sabia que, mais tarde ou mais cedo, aquele sangue me daria ajuda... Restava saber quando... Estremeci e saí para o ar livre de Phoenix.
Caminhei através do longo parque de estacionamento, que se encontrava vazio, ignorando o ex-restaurante, que agora mais parecia um monte de metal deformado. Suspirei, e de repente, encontrei-me com algo que menos esperava. Do pleno chão de asfalto, cresceram plantas que me agarraram os pulsos e os tornozelos...
- Mas que ... ? - exclamei eu, surpreendido.
Ao início, tentei queimar as plantas, mas de nada serviu. Eram muito grossas. Senti-me então, ser sugado para o chão. Com um susto repentino, pensei que me ia esborrachar, antes de o atravessar como se este fosse água e desaparecer num escuro repentino.
avatar
Maighel Fox


Dracmas : 38,5
Poder : Sol
Pégaso : Nenhum

Ficha Meio-Sangue
Estratégia:
10/1000  (10/1000)
Conhecimento:
10/1000  (10/1000)
Nível:
1/5  (1/5)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Atena em Ter Dez 06, 2011 8:40 pm

Ao ser sugado, Maighel perde os sentidos e, no seu subconsceinte, está numa espécie de poço, onde tudo está escuro e silencioso. Então, ouve uma voz:

- Maighel, sai daqui!
- Como? O que?
- Sai daqui.
- Mas daqui onde? E quem está a falar comigo?
Segue-se uma pausa, durante a qual ouvem-se passos e, momentos depois, Atena está à frente dele.
- De Phoenix, Maighel, da América. Não é aqui que deves perder o teu tempo.
- Então onde é?
- A profecia. Está na profecia, criança. Escondido nas letras. "Da antiga civilização"... O local liga-se a ti e aos teus irmãos pelo seu poder.
- Oh, a profecia... Mas...é confusa...
- Não, não é. Mas não te preocupes: a minha descendência ajudar-te-à.
Dito isto, a Deusa recua e tudo começa a ficar escuro de novo.
avatar
Atena


Dracmas : Infinito
Poder : Deusa da Sabedoria
Pégaso : Amadeo

Ficha Meio-Sangue
Estratégia:
1000/1000  (1000/1000)
Conhecimento:
1000/1000  (1000/1000)
Nível:
5/5  (5/5)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Maighel Fox em Ter Dez 06, 2011 9:16 pm

Fui projectado de novo para o calor ardente de Phoenix, dando um pulo e aterrando no piso poeirento. Ajeitei o cabelo, e decidi que devia seguir para a Europa. No entanto, era invadido por pensamentos controversos. Algo na minha mente tinha sido profetizado, e era claro que fosse em Phoenix que estivesse algo importante. Contudo, Atena tinha-me dito que estava no lugar errado, e sendo ela a deusa da sabedoria, sabia muito mais do que um pobre miúdo como eu. Sentei-me na paragem de autocarro aonde tinha sido largado pelo taxista, e apanhei o autocarro que saia daquela zona, que viria a descobrir chamar-se Hassayampa. O autocarro dirigiu-se para o centro, entre Glendale e Scottdale, e parou numa rua movimentada no centro financeiro. Sabia que devia estar perto do aeroporto de Phoenix, pois tinha passado por ali há apenas meia-hora, antes do embate com Lâmia. Caminhei por aqueles centros aprumados, que contrastavam com alguns bairros pobres para o lado de Scottsdale. Por momentos parecia que tinha passado para um universo paralelo, quando atravesse uma avenida movimentada, deixando o centro da cidade, e passando para o outro lado da larga rua, aonde os prédios eram mais baixos, e em tijolo, fazendo lembrar Londres antiga.
Caminhei de mãos no bolso, calmamente, vendo pessoas a lançarem-me um olhar ameaçador. Sem me deixar intimidar, exibia um ar duro, e quando algum mandava bocas, respondia com confiança.
- Oh monte, pareces andar perdido - disse um rapaz de raça negra, fazendo os amiguinhos lançarem uma gargalhada estúpida.
- Andava á tua procura... És o empregado de limpeza, não és ? - atirei-lhe uma nota de um dólar, dizendo - A minha sanita precisa de ser limpa... Bom apetite...
Os amigos dele riram-se e disseram "Ouch !", enquanto o próprio rapaz se ria também. Embora tivessem aspecto de durões, pareciam malta fixe, mas não tinha tempo para amizades. Continuei a caminhar, e ouvi um grunhir de dor, a 6 metros á minha frente. Acorri para lá, e vi cerca de quatro rapazes a empurrarem e esmurrarem um jovem um pouco mais novo que eu. Tinha uma barba rala, cabelo castanho despenteado, um pouco mais curto que eu, e embora alto e entroncado, contra quatro nada podia fazer.
- Ei - gritei eu, desviando-a a atenção dos rapazes - E meterem-se com alguém da vossa altura, tipo eu ?
O cabecilha virou-se para mim, rindo-se alto, e dizendo:
- Sabes ao menos quem nós somos ?
- Um bando de totós ? - desdenhei eu.
- Sou filho do mais poderoso traficante de armas... Meteres-te connosco é tares a pedir uma naifada na goela...
- Tens mesmo a certeza ? - disse eu, provocando o rapaz, á medida que o outro miúdo se levantava - É que tens mesmo ar de quem o teu pai se está nas minimas para ti.
Tinha tocado no ponto fraco dele. O rapaz avançou num murro desajeitado, enquanto me desviei. Tinha sido tão lento que me podia ter sentado a curtar as unhas dos pés, e a ler a Vogue, sem preocupações. Acertei-lhe uma cotovelada na nuca e rasteirei-o, fazendo-o cair. Os outros três vieram em seu auxilio. O primeiro vinha em direcção a mim. Debruçei, e quando o seu corpo musculado atingiu o meu puxei-lhe ambas as pernas, fazendo com que ele caisse de cabeça, pôndo-o inconsciente. O segundo tentou atacar-me enquanto eu estava debruçado, mas o seu agarranço desajeitado apenas me tinha feito cócegas. Torci-lhe o braço, dobrei-o, e empurrei-o contra a parede, batendo com a sua cabeça na parede várias vezes. Veio o terceiro, que me mandou uma joelhada no estômago.
- Estúpido - gritei eu. Levantei-lhe um pé com o tornozelo, e num movimento rápido, acertei-lhe com o peito do pé na cabeça, fazendo-o cair. Embora tivesse tido sorte, esta não duraria muito - Corre ! - gritei eu para o rapaz que tinha salvo.
Corremos pelas ruas calcetadas, e virámos á direita para o centro urbano de Scottsland, á primeira oportunidade.
- Obrigado - exclamou o rapaz, entre fôlegos constantes - Salvaste-me daqueles idiotas.
- Poupa o fôlego... Precisamos de chegar ao aeroporto.
avatar
Maighel Fox


Dracmas : 38,5
Poder : Sol
Pégaso : Nenhum

Ficha Meio-Sangue
Estratégia:
10/1000  (10/1000)
Conhecimento:
10/1000  (10/1000)
Nível:
1/5  (1/5)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Maighel Fox em Ter Dez 06, 2011 9:41 pm

Percorremos as estreitas ruas pobres de Scottsland, antes de chegar-mos a uma avenida, aonde, do outro lado se avistava o aeroporto.
- Bolas - exclamou o rapaz - Por aqui não dá... Temos de voltar para trás...
Olhei para trás, e vi o grupo de quatro rapazes, que agora tinham virado seis a correrem na nossa direcção...
- Estás parvo ? - perguntei eu, boquiaberto - Se voltarmos para trás, eles provavelmente aleijam-nos a sério... Devem estar armados e são seis !
- Se tiveres mais algum plano, agradecia - disse o rapaz, rebolando os olhos.
- Prepara-te - disse eu, suspirando. Tinha de ser um ataque rápido, e tinha de usar os meus poderes... Não tinha outra hipótese. Aquele beco encontrava-se vazio, e atrás de nós encontrava-se uma queda de 3 metros até á auto-estrada. Inflamei as mãos, enquanto o rapaz ao meu lado exclamava:
- Mas que ... ?
Abri as mãos repentinamente, e dezenas de bolas flamejantes perseguiram os seis rapazes, que gritaram assustados.
- AGORA ! - gritei eu.
Enquanto as bolas flamejantes distraiam os jovens, que se questionavam de aonde tinham vindo, percorri o beco e saimos na primeira saida á direita. Percorremos a rua, e vimos a ponte que encimava a auto-estrada, levando os passageiros de Scottland até ao aeroporto. Corremos até ás portas de embarque, e vimos que faltava uma hora até ao vôo para a Grécia. Algo me dizia que era na Grécia que o meu objectivo se encontrava.
- Boa - disse eu - Falta uma hora !
- Para quê ? - perguntou o rapaz, duvidoso...
- Para o vôo para a Grécia.
O rapaz ergueu o sobrolho, antes de dizer:
- Obrigado por me ajudares, mas agora vou voltar para casa. Não sei como fizeste aquilo do fogo, nem me interessa, mas agora quero voltar a Scottsland...
- Para quê, para seres malhado outra vez ? Para chegares a casa e encontrares o teu pai, que te conta mentiras sobre a tua mãe ter morrido e que passa a vida a gastar dinheiro em alcóol e a bater-te ? Bela vida...
- Como sabias isso ? - perguntou o rapaz, já assustado.
Perguntei-me a mim o mesmo. Não sabia como, mas ao olhar para o rapaz, tinha visto como era a sua vida. Mas apercebi-me de algo. Tinha tido uma profetização de que deveria ir a Phoenix para algo, e após ter morto Lâmia, Atena avisou-me de que não se tratava daquele lugar aonde se encontrava o meu objectivo. No entanto, disse que eu encontraria um seu descendente que me iria ajudar. Ao ver o rapaz, o meu instinto tinha-me dito que ele era especial, e que ele me iria ajudar. Previ logo como a sua vida era, com o pai a enchê-lo de mentiras que ele tentava convencer-se de que não passavam nada mais do que injúrias.
- Só não sei disso como também conheço a tua mãe.
O queixo do rapaz pareceu cair a 5 km de velocidade. Ele abanou o dedo indicador e disse:
- Tretas ! Não sei como soubeste isso, mas provavelmente topaste pelo meu aspecto.
- Tal como topei que na escola és sempre gozado, queres vás bem vestido ou não, por estares sempre a seres malhado por os tipos dos gangues... Meu, isto ia ser sorte a mais...
O rapaz finalmente ficou rendido a acreditar, embora ainda expressasse um ar de dúvida.
- Se vieres comigo á Grécia, te garanto, conhecerás a tua mãe, Atena.
- Pfff ' - disse o rapaz, distorcendo o seu ar crente - Deuses gregos ? Quem acredita nisso ?
- Bem, eu acredito, as pessoas vagamente inteligentes acreditam, e TU vais acreditar depois disto...
Dirigi-me á hospedeira. Não ia gostar nada de fazer aquilo, mas tinha de ser, para fazer o rapaz acreditar. Comecei a falar num canto improvisado:
- Passagens executivas para dois, grátis !
A hospedeira ficou imediatamente hipnotizada...
- Aqui as têm - disse, com voz robótica - Boa estadia.
- Obrigado - agradeci eu, agora num tom normal.
As pessoas á minha volta sacudiram a cabeça, como se tivessem acordado de um longo sono, á medida que a hospedeira se beliscava, para ver se estava acordada. O rapaz também sacudia a cabeça, mas de espanto...
- Não acredito...
- Á patrão - ri-me eu, com ar sarcástico - Já agora, qual é o teu nome, mesmo ?

avatar
Maighel Fox


Dracmas : 38,5
Poder : Sol
Pégaso : Nenhum

Ficha Meio-Sangue
Estratégia:
10/1000  (10/1000)
Conhecimento:
10/1000  (10/1000)
Nível:
1/5  (1/5)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Maighel Fox em Qua Dez 07, 2011 12:05 am


Percorremos os corredores, e entrámos na fila, passando pelo detector de metais, e por diversas fazes de segurança. A guarda ergueu o sobrolho quando viu os nossos passes de classe executiva, mas nada disse e deixou-nos passar. Não me orgulhava nada de ter arranjado os bilhetes daquela maneira. Soava como um roubo e tencionava pagar de qualquer forma. Sem Brandon ver, pus os dólares, que eram um balúrdio na banca da guarda, sem que esta visse. Pelo menos, a minha consciência ficava mais leve.
Entrámos no avião e dirigimo-nos á classe executiva.
- Se tudo isso dos filhos dos deuses é verdade... - disse Brandon, escolhendo delicadamente as suas palavras - Há mais... Como nós ?
- Muitos mais - sorri eu - E a maioria deles vive na Colónia dos Mestiços...
- Tu vives lá ? - perguntou Brandon, imediatamente.
Sorri ao ver o seu ar interessado. Mesmo que estivesse de olhos vendados e ignorasse os seus cabelos castanhos que mais pareciam loiros e os seus olhos tempestuosos, vendo só o seu feitio, perceberia logo que era filho de Atena. Nos poucos minutos que tinha passado com ele, Brandon tinha demonstrado um carisma intelectual, mas estiloso, fazendo-o o tipo de pessoa inteligente e bem parecida que muitas miúdas desejavam.
- Sim, com os meus irmãos, na cabana 7...
- A cabana 7 é para os filhos de quem ?
- Apolo... - disse eu, detendo-me enquanto a hospedeira de vôo passava pelo corredor em direcção ao cockpit - Deus do Sol e da Música, Senhor da Medicina e das Profecias.
- Ah - exclamou Brandon, com ar sabedor - Por isso é que formaste aqueles sóis que perseguiram o bando em Scottsland.
Anuí, e verifiquei o canal de vôo. O trajecto do avião ainda se encontrava em Phoenix, visto ainda não termos descolado... Vi as indicações e apercebi-me de que faríamos escala em Madrid, antes de seguirmos para Atenas, na Grécia.
- Por falar nisso... Ainda não me explicaste quem eram aqueles quatro...
Brandon suspirou, antes de dizer, vagamente nervoso:
- Aquilo é um bando de filhos de os chefes de um gangue, que têem a mania de que por ser filhos de criminosos podem abusar da paciência dos outros. Normalmente safava-me numa luta... - corou um pouco - Mas não contra quatro.
Sorri compreensivamente, antes de Brandon mudar completamente a sua face:
- Já tu... Aonde aprendeste a lutar assim ?
- Artes Marciais - disse eu, mudando o canal para um de entretenimento - Havia um dojo em Roterdão que ensinava várias... Treinei-me em Boxe, Karaté, TaeKwonDo e Judo.
- E a que cintos chegaste ?
- No Box cheguei a escalão Profissional. Nas outras cheguei a cinturão negro.
- Brutal ! Tens de me ensinar truques...
- Quando fores para a Colónia - disse eu - Temos tempo... Agora temos de nos concentrar na missão.
Brandon pôs um ar curioso e perguntou:
- E qual é o objectivo da missão ?
- Ainda não sei - suspirei eu.
Brandon olhou-me como se eu fosse doido, e eu ri-me, dizendo:
- Confia em mim... A tua mão disse-me para ir para a Grécia. Após isso, o destino nos guiará...
- Acreditas no destino ? - riu-se Brandon.
- Acredita - disse eu, agora mais a sério, mas ainda a rir-me levemente - Depois de tudo o que me aconteceu na primeira missão, nem que não visse um palmo á frente do nariz acreditava no destino.
- Porquê ? - perguntou Brandon, esticando-se no seu lugar e olhando para mim.
Uma voz mecânica anunciou a partida do avião e ordenou que puséssemos os cintos durante a descolagem. O avião partiu e enquanto descolava, ignorei o canal de entretenimento e comecei a contar a Brandon toda a minha missão anterior. Como tinha enfrentado o dragão, explodido uma parede lateral dum prédio, enfrentado Kappas em pleno fundo do mar, enfrentado o deus dos ferros, e conhecido um grande, grande amigo. Quando acabei a história, já iamos a atravessar a costa leste dos E.U.A., e mudámos para o videojogo Mario Kart, e começamos a jogar, divertidos, ao som da música animada do jogo de crianças.
avatar
Maighel Fox


Dracmas : 38,5
Poder : Sol
Pégaso : Nenhum

Ficha Meio-Sangue
Estratégia:
10/1000  (10/1000)
Conhecimento:
10/1000  (10/1000)
Nível:
1/5  (1/5)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Maighel Fox em Qua Dez 07, 2011 6:30 pm

Aterrámos em Espanha eram já 18:30, pelo que decidimos comer qualquer coisa no bar do aeroporto. Sentia-me calmo, com Brandon ali, a emborcar croissants comigo, visto estarmos cheios de fome.
- Ainda não acredito - disse Brandon, por entre trincas e lambedelas nos dedos manteigosos - Que atravessei metade do mundo num dia, saindo da vida de trampa que tinha, e estando agora em Espanha com alguém que só conheço há um dia.
- Viva la Vida - ri-me eu, olhando pelas vidraças do aeroporto para a pasaigem citadiana que a capital espanhola oferecia. Comemos os últimos pedaços de croissant, bebendo um sumo de uva, e levantámo-nos, esticando as camisolas.
- Achas que tenho hipóteses de viver um dia na colónia de mestiços ? - perguntou-me Brandon, obviamente nervoso.
Sorri ao observá-lo. Pouco mais baixo que eu, era entroncado, mas magro, e com alguns meses de exercicios de treino, ele ia lá. Os seus olhos um pouco castanhos, mas com madeixas loiras davam-lhe um ar inteligente, e a barba dava-lhe o toque final, a combinar bem com o cabelo despenteado e de médio comprimento. Os seus olhos eram de um tom castanho e cinzento, que lhe davam um ar duro, de quem já tinha passado por muito.
- Claro - disse eu - Por vezes os exercicios de treino são cansativos e duros, mas vale muito a pena viver lá. Tens amigos que morreriam por ti, vives numa cabana cheia de gente, não tens aulas, e apenas treinas para ser um bom guerreiro.
Brandon anuiu, á medida que entravamos no avião novamente.
A hospedeira de boa desejou-nos em espanhol um bom vôo, enquanto subiamos para a fileira executiva novamente. As portas do avião fecharam-se quando o avião encheu com cerca de trezentos e quarenta passageiras.
O avião subiu calmamente, á medida que os ouvidos de Brandon estalavam.
- Odeio isto, meu - disse Brandon, abanando a cabeça.
Excepto nós, apenas outras três pessoas seguiam naquele compartimento. Um deles era um homem de negócios que berrava ao telefone, num espanhol cerrado, que apontava as origems do baixo homem como sendo da Catalunha. Por trás de nós, seguia uma curiosa mulher. Devia estar na casa dos 24 anos. Tinha cabelo loiro comprido, que lhe chegava até metade das costas. Tinha uns olhos azuis profundos, era bonita, e olhava-nos, curiosa. O que mais me chamou á atenção não foram as suas longas unhas de gel, ou o seu nariz pequenino, mas sim o que envergava. Trazia um vestido do que parecia ser ouro maciço que, para além de ter custado uma fortuna, devia ser muitíssimo desconfortável. Virei-me novamente na cadeira, para a televisão, mas senti algo queimar-me na nuca. Quando me virei, a senhora recuou novamente para a cadeira, como se não tivesse feito nada. Esforcei-me por ignorar completamente o comportamento estranho da mulher, e nada apropriado para a sua idade, e virei-me para a frente novamente. Continuava a sentir algo na nuca, mas ignorava por completo. Brandon ia entretido a ler um livro de arquitectura grega que eu lhe tinha emprestado, fugindo a uma das coisas que Anders me tinha avisado durante a missão: "Mantém-te lendo algo sobre os gregos, para quando voltares á colónia não te desabituares", mas essa frase tinha caido no fundo mais afastado do meu distraído cérebro.
Adormeci com o som ambiente do homem a falar espanhol, do canal de televisão ligado pela mulher atrás de mim, de onde sentia vir o calor na nuca, e do folhear do livro do meu amigo, que se entretia a meu lado.
avatar
Maighel Fox


Dracmas : 38,5
Poder : Sol
Pégaso : Nenhum

Ficha Meio-Sangue
Estratégia:
10/1000  (10/1000)
Conhecimento:
10/1000  (10/1000)
Nível:
1/5  (1/5)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Maighel Fox em Qua Dez 07, 2011 6:36 pm


*

- Acorda ! - disse uma mulher de longos cabelos castanhos, envergando uma túnica castanha. Era bonita, mas não parecia preocupar-se muito com isso, parecendo alguém... Mais inteligente.
Deu um safanão no rapaz que dormia na cama naquele minúsculo quarto, cheio de posters de Linkin Park, e Nirvana.
- Faço o serviço depois - murmorou o rapaz, numa voz remelosa de quem estava cheio de sono. Deu um longo bocejo, antes de proseguir - Pede desculpa a Hermes, mas agora não, por favor.
- Tem de ser já - contrapôs a mulher, cruzando os braços.
O rapaz sentou-se na cama, e olhou para a mulher, com um ar chateado. A cara era familiar. Muito familiar...
- Podes esperar ? - disse ele, olhando a mulher com um ar mal-humorado - Cheguei ontem do Havai, e embora se apelide de "férias", vim mais cansado do que saí.
Bocejou. Encontrava-se vestido, e algo me dizia que ele tinha feito mal tinha chegado a casa tinha sido atirar-se para a cama.
- Atena falou - disse a rapariga, puxando-o para fora da cama - Tu cumpres.
O rapaz resmungou por entre os dentes, e caminhou até ao lavatório. Abriu-o e lavou a cara com as mãos. Como não tinha toalha, limitou-se a sacudir a cabeça, tentando libertar as gotas que escorriam pela cara.
- Atena ? - perguntou ele, com uma última sacudidela - Que me quer ela a mim ?
A mulher pôs a mão na anca, e olhou para o rapaz:
- Marphin - disse ela. Senti, por entre o sonho, o meu corpo abanar com o sobressalto. Eu sabia que conhecia o rapaz de algum lado ! Era Marphin, o meu maior ajudante na primeira missão - Achas mesmo que eu sei, oh ' burro primaveril ? Ela nunca me diria, nem eu tinha o trabalho de lhe perguntar.
Marphin abanou a cabeça, e disse-lhe:
- És tão simpática, Meredith.
Antes que a mulher pudesser retorquir, Marphin foi sugado numa brisa de folhas de outono. Passado pouco mais que meio segundo, com outra brisa de folhas, apareceu do outro lado do Monte Olimpo, em frente do Palácio de Atena. Este era pintado de um cinzento claro, e a sua fachada fazia lembrar a do Sacre Coeur, em Paris, embora esta tivesse um longo jardim.
Marphin aterrou em frente a uma lindissima fonte, que brotava água calma, e melodiosamente. Embora o palácio se encontrasse numa das zonas menos movimentadas do Olimpo, conseguia-se distinguir, ao longe, o palácio de Artémis, de uma cor brilhante, como a lua. Percorreu a passos largos o vasto jardim, até chegar á porta principal, que retratava cenas de batalha, com Atena, gravadas em madeira. Bateu á porta calmamente, esperando que fosse aberta de forma alegre, e não preocupada. Imediatamente as suas esperanças se desfizeram em pó, quando uma das filhas mais próximas de Atena lhe abriu a porta, com um ar preocupado.
- Entra, Marphin, rápido - disse Masifae.
Marphin corou ao entrar para dentro do palácio quente. Sempre tinha tido uma queda por Masifae, a filha favorita de Atena, que era também imortal e vivia naquele palácio desde os seus meros 4 anos. Tinha os cabelos de um loiro forte, olhos tempestuosos de um azul muito escuro, nariz pequenino e lábios apertados, que lhe davam a cara de uma bonita modelo. O seu corpo, também ajudava, sendo perfeitamente boa para as capas de revista de moda. Vestia-se de maneira grega, com uma túnica branca suave, uma bracelete de bronze olímpico no ouro.
- Mudaste ... - disse Masifae, surpreendida, olhando uma segunda vez para Marphin - Nem diria que és o mesmo...
- Para melhor ? - perguntou Marphin, corando ainda mais...
- Muito melhor - riu-se Masifae.
Mas era verdade. Marphin encontrava-se completamente diferente. Tinha largado os casacos pretos e largos por uma roupa mais aprumada, mas igualmente confortável. Usava uma camisa de manga curta preta, calças descaidas com um rasgão no joelho, e sapatilhas de skater com atacadores vermelhas.
- Tu sempre foste linda... - sorriu Marphin.
Desta vez, foi a vez de Masifae corar. Achava Marphin engraçado, e já tinha feito alguns exercícios de treino com ele, em que ambos tinham-se safado muito bem.
- Anda comigo... A minha mãe quer falar contigo, urgentemente - disse ela, agora num tom mais trágico.
avatar
Maighel Fox


Dracmas : 38,5
Poder : Sol
Pégaso : Nenhum

Ficha Meio-Sangue
Estratégia:
10/1000  (10/1000)
Conhecimento:
10/1000  (10/1000)
Nível:
1/5  (1/5)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Maighel Fox em Qui Dez 15, 2011 1:23 pm

Marphin fez um gesto com o cabelo, de forma a afastar os seus recentes longos cabelos. Continuava admirado por ter sido chamado tão cedo, e de forma tão preocupante, e tinha um bichinho de curiosidade a matá-lo por dentro.
Atravessaram os longos corredores de mármore branco, com gravuras majestosas de cenas de batalha em que Atena participaria, outrora.
- Por aqui - disse Masifae, estendendo os braços em direcção a uma grande porta de carvalho velho, envernizado de modo a escurecer, e com dois longos Ás entrelaçados gravados na madeira.
Marphin anuiu, com um gesto de cabeça e entrou para a sala do trono do palácio de Atena. A meio da sala encontravam-se algumas servas de Atena, tomando banho numa grande banheira de mármore branco, que contrastava com os azulejos baços que reflectiam a luz vinda dum castiças de ouro olímpico, suspenso no tecto. Ao fundo, encontrava-se Atena, sentada num trono cinzento, em que estavam gravados tubos estreitos, fazendo do acento um cérebro de mármore.
- Ainda bem que chegaste - disse Atena, erguendo-se, com um ar preocupado - Sei que apenas chegaste do Hawai agora, mas penso que este assunto te preocupará tanto como a mim... E te mostrarás pronto a ajudar-me.
- Atena - começou Marphin, coçando o cabelo, embaraçado - Ajudava, mas ainda não entendi o que se passa.
- Alguém que tu conheces precisará de ajuda... Rapidamente.
- Mas quem ... ?
Atena estalou os dedos e duas bolas de luz surgiram, mostrando uma imagem de um rapaz de longos cabelos castanhos, com os cotovelos apoiados no separador dos bancos, segurando na mão a cabeça, a dormir, com alguém desconhecido a seu lado.
- Mas esse é o ... - exclamou Marphin, boquiaberto. O rapaz que se encontrava a jogar era alguém bem lhe conhecido. Alguém com quem tinha lutado a seu lado, no fundo dos mares, jantado em Nova Orleães, e tido uma pequena aventura da qual nunca se esqueceria.
- Sim, ele mesmo - disse a deusa da sabedoria, virando-se lentamente, e olhando Marphin nos olhos - O teu grande amigo, Maighel.
Marphin recompôs-se um pouco, e olhou á sua volta. Atena mostrava um ar preocupado, mas ainda assim, majestoso. Masifae olhava para a imagem, apreciando o filho de Apolo, enquanto as outras tinham parado de brincar com a espuma para olharem para as imagens.
- Assim de vista - continuou Atena, cada vez mais preocupada - Até pode parecer normal. Ele está no avião com um filho meu, a jogar videojogos, com um ar deveras concentradíssimo. Contudo, o problema é este...
Estalou novamente os dedos e a as bolas alargaram, aproximando a imagem para o banco de trás e mostrando a estranha mulher, com o fato de ouro massiço.
- Oh, não - disse Marphin, chocado - Não, não, não... Esse gajo só atrai sarilhos.
Atena soltou um leve sorriso, antes de dirigir um ar preocupado novamente.
- Sim, mesmo ela...
- Pensava que elas estavam estinguidas - disse Marphin, abanando a cabeça - Ou pelo menos transformadas em árvores.
- E estavam - disse Atena, caminhando nervosamente - Quando Hélio foi morto por Apolo, e o seu irmão morreu ao tentar conquistar o sol, as Helíades choraram, tranformando-se em árvores. A principio, sempre estiveram com raizes bem dependoradas no solo, mas isso foi até Atlas acordar.
Marphin estremeceu, ao ouvir o nome do Titã.
- Atlas conseguiu escapar do mundo dos mortos, e, digamos, infelizmente, o nosso "amigo" Hades não o conseguiu travar. Agora, ele dirigiu-se ao local aonde os deuses e titãs ascenderam... Á velha civilização, o lugar aonde o meu nome ainda é usado.
- Atenas - concluiu Marphin, anuindo.
- Mas... - começou Atena, dizendo - Não me parece que os dois mestiços consigam derrotar um titã sem ajuda. E como Maighel foi a Phoenix recrutar o meu filho Brandon, dei-lhe uma pista de que o titã se encontra na velha civilização. Eles estão neste momento a dirigir-se á Grécia, aonde já tenho dois filhos meus á espera. O primeiro obstáculo que os nossos amigos vão ter vai ser a Helíade, que, como sabes, tem certos poderes sobre o sol, e qualquer queimadura não a afectará. O Maighel é o único que sabe usar os poderes, e apenas puderá usar o som da música, que não encantará a Helíade. Portanto, resta-me que tu e a Masifae o ajudem.
Virei a cabeça para trás, para Masifae, que estava a sorrir. Era a sua primeira aventura.
- Bem, estamos á espera de quê ? - disse Marphin, com um ar preocupado. Estalou os dedos, e uma rajada de folhas outonais percorreu a sala, abragendo a deusa grega e o mestiço, que se tranportaram, para o avião em pleno vôo sobre o Mar Mediterrâneo.

*
avatar
Maighel Fox


Dracmas : 38,5
Poder : Sol
Pégaso : Nenhum

Ficha Meio-Sangue
Estratégia:
10/1000  (10/1000)
Conhecimento:
10/1000  (10/1000)
Nível:
1/5  (1/5)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Maighel Fox em Ter Jan 03, 2012 1:27 pm


- Acorda - gemeu Brandon, aflito, olhando para mim com um ar aterrorizado.
Os meus olhos foram perturbados por um brilho intenso que se erguia acima das nossas cabeças. Pisquei os olhos bruscamente, á medida que via uma rajada de neve ir contra a cabeça da criatura, enquanto ela rugia de dor.
- Uma helíade ! - exclamei eu, saltando para o lado, á medida que uma onda de fogo lançada de cima queimava o chão.
Duas adagas trespassaram o ar, acabando por se enterrar no ombro da criatura, que rugiu mais uma vez. Virei a cabeça, olhando para trás, para ver as pessoas que me estavam a ajudar:
- Tu... - suspirei eu, chocado, ao reconhecer Marphin.
- Cuidado ! - gritou ele, apontando para o meu lado direito.
Ouviu-se uma pequena explosão, enquanto eu fui projectado pelos ares, contra o painel lateral. Sabia que usar o fogo não iria ajudar em nada contra aquela criatura, portanto, formei uma bola de gás para tentar sufocar a helíade.
- Não ! - gritou a bonita mulher grega, que se encontrava ao lado de Marphin. A helíade, sorrindo maquiavelicamente, atirou fogo na direcção da bola de gás.
Apenas tive tempo de me jogar para o lado, abrir a porta, e sentir-me ser sugado pela torrente de ar, á medida que o avião explodia lá em cima. Tudo tinha acabado, os meus companheiros na luta estavam mortos, e quando eu chocasse no chão, iria pelo mesmo caminho. Não me sobrava muito tempo. Tinha tudo acabado.
avatar
Maighel Fox


Dracmas : 38,5
Poder : Sol
Pégaso : Nenhum

Ficha Meio-Sangue
Estratégia:
10/1000  (10/1000)
Conhecimento:
10/1000  (10/1000)
Nível:
1/5  (1/5)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Maighel Fox em Qua Jan 04, 2012 7:10 pm


Ainda tive tempo de soltar um leve grito antes de me preparar para o impacto que ai viria. Fechei os olhos quando a superfície espelhada lá em baixo se aproximou perigosamente, e abri os olhos á realidade de que iria morrer.
Contudo, o choque não aconteceu. Senti o meu corpo ser percorrido por um monte de folhas secas, antes de ser sugado pela segunda vez na minha vida. Acabei por aterrar numa areia algo molhada, enquanto as ondas rebatiam violentamente contra a costa. Suspirei de alivio, antes de abrir os olhos e olhar á minha volta. Os grilos ouviam-se ao longe, e não fazia a minima ideia de onde estava. Como não havia barulho de carros, ou luzes que indicassem existência de vida por perto.
- Meu - disse Marphin, coçando o seu recente longo cabelo - Nunca mais me faças uma destas.
Ao seu lado encontrava-se a linda miuda grega que eu tinha visto no avião, e ao longe encontrava-se Brandon, tremendo por todos os lados, sentado numa pequena rocha, a alguns metros da árvore mais próxima.
- Aonde estamos ? - balbuciei eu, ainda algo chocado com a experiência de quase morte que tinha tido.
- Algures numa ilha grega, perto de Creta - disse Marphin, olhando em seu redor - Atena mandou-nos auxiliar-te.
- Em quê ? - disse eu, repentinamente - Quer dizer, obrigado, mas nem eu próprio sei bem o que fazer a seguir.
- Mas nós podemos ajudar... Em qualquer um dos casos, estaremos por perto - disse Masifae, olhando para mim com os olhos cor de mel - Pelo menos até chegares á Grécia.
- Porquê ? - questionei eu, preocupado - O que vai acontecer na Grécia.
Marphin riu-se, antes de pronunciar:
- Apenas terás de seguir o teu próprio caminho. Os hérois não somos nós... És tu... E, para além do Brandon, haverá mais alguém do teu lado...
- Quem ?
Marphin não respondeu, limitando-se a caminhar pela longa praia, com os cabelos a esvoaçar ligeiramente. A cicatriz no seu rosto parecia agora invisivel... Como se nunca tivesse existido.
avatar
Maighel Fox


Dracmas : 38,5
Poder : Sol
Pégaso : Nenhum

Ficha Meio-Sangue
Estratégia:
10/1000  (10/1000)
Conhecimento:
10/1000  (10/1000)
Nível:
1/5  (1/5)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Maighel Fox em Dom Jan 22, 2012 8:03 pm


A luz solar trespaçou-me os olhos á medida que o sol se aproximava do seu ponto alto. Acordei, e olhei fixamente para lá, algo que cegaria um humano normal, sentindo o calor bater-me na cara e lembrando-me do meu encontro com o meu pai, no Olimpo.
Olhei ao meu redor procurando os meus companheiros. Marphin raspava pedras ruidosamente algo afastado de o sitio aonde eu estava, encontrando-se agachado e exibindo um ar deveras cansado.
- Vai aí uma ajudinha ? - perguntou ele, erguendo os olhos para mim.
Encolhi os ombros e apontei a mão aos paus amontoados no chão, que imediatamente começaram a arder. Sentei-me no chão, ao pé dele.
- Estive aqui uma manhã inteira - disse ele, bufando - E tu em cinco segundos trataste disso.
- Sabes como é - ri-me eu, antes de perguntar - Aonde está a Masifae ?
Marphin inspirou fundo, antes de responder:
- Teve de voltar para o Olimpo. Ela é a filha mais chegada a Atena. Basicamente, ela veio-me ajudar apenas inicialmente... Agora, eu, tu, e o Brandon estamos por nossa conta até á Grécia.
- Tu... - começei eu por dizer, antes de perceber que não iria ter a resposta que eu queria - Tu vais ajudar-nos... Depois... Lá ?
- Na Grécia ? - perguntou Marphin, á medida que eu abanava a cabeça afirmativamente - Não... Será muito fácil encontrares um substituto á minha medida por lá. Pode parecer que não sabes o que fazer, mas o teu destino está traçado. É só seguires a rota...
Após estas palavras misteriosas levantou-se, sacudiu as calças e disse:
- Está na hora.
Dirigiu-se ao pé de Brandon, e, com uma sacudidela, acordou-o.
- Então e a comida ? - perguntei eu, olhando para os pequenos pombos, que estavam prontos a assar.
- Comem em Atenas... - depois olhou para o céu, antes de dizer - Mas que... ?
Uma sombra aproximava-se rapidamente na sua direcção, antes de com um rugido agudo, atravessar Marphin com as suas garras,
- NÃO ! - gritei eu, sentindo uma mistura de raiva e mágoa apoderar-se de mim.
avatar
Maighel Fox


Dracmas : 38,5
Poder : Sol
Pégaso : Nenhum

Ficha Meio-Sangue
Estratégia:
10/1000  (10/1000)
Conhecimento:
10/1000  (10/1000)
Nível:
1/5  (1/5)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Maighel Fox em Dom Jan 22, 2012 8:21 pm

Brandon foi projectado para trás quando uma fusão de som forte e calor explodiu no centro da floresta, enquanto se ouvia um rugido forte. Pôs a mão sobre os olhos, para tentar descortinar que criatura seria aquela...
- Um ctónico ! - exclamou ele, reconhecendo a criatura de pinturas que tinha visto nas aulas de história. Depois, virou-se e começou a correr em direcção á floresta. Podia chamar-se acobardar-se, mas com as constantes explosões solares que estavam a acontecer, era isso ou morrer devido á minha ira.
Á medida que se embrenhava na floresta, os sons das constantes explosões ia sendo cada vez mais abafado. Brandon não sabia descrever o que sentia. Ao mesmo tempo, sentia medo e compaixão pelo amigo. Ele não conhecia Marphin assim tão bem, mas a forma tão repentina como ele tinha morrido até a ele o tinha chocado. Fora tudo muito rápido, e a imagem de a criatura Ctónica a trespassar Marphin com as garras era, sobretudo, muito violenta. Foi então que se ouviu um grito muito humano, vindo dos kilómetros que separavam Brandon da praia... Virou-se para trás, preocupado, e murmorou:
- Maighel...
A seguir, sentiu-se um grande abalo, seguido de um enorme grito e uma enorme luz aproximou-se dos olhos de Brandon. Apenas teve de saltar para uma pequena cova numa pedra e encolher-se o mais que podia, á medida que via o calor da Super-Nova a passar por si... E a sua pele a descascar-se devido ao calor. Ignorando a dor no braço direito, esperou que tudo aquilo parasse e saiu da cova que o tinha salvo. Os músculos do seu braço direito encontravam-se pretos de tanto calor e gás terem aguentado. Gemeu de dor, antes de começar a correr de volta á praia.
avatar
Maighel Fox


Dracmas : 38,5
Poder : Sol
Pégaso : Nenhum

Ficha Meio-Sangue
Estratégia:
10/1000  (10/1000)
Conhecimento:
10/1000  (10/1000)
Nível:
1/5  (1/5)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Maighel Fox em Dom Jan 22, 2012 10:56 pm


Brandon corria, tentando ignorar o ambiente destruído á sua volta, provocado pela Super-Nova. Tinha dificuldade em respirar, visto o fumo ser bastante espesso, e os olhos ardiam violentamente, ajudando a atrapalhar. No entanto, Brandon não queria saber. Queria salvar o amigo, que já uma vez o tinha salvo de rufias. Queria ajudá-lo a continuar em frente, a acabar a missão, para depois voltarem para o tal acampamento de que eu lhe tinha falado.
Brandon entrou em estado de choque quando viu a praia. O Ctónico tinha desaparecido, assim como Marphin, enquanto eu estava no chão debruçado, soluçando verozmente...
- O Marphin - soluçei eu, demasiado fraco para me mexer - Ele... Ele ficou em cinzas...
Brandon engoliu em seco, olhando para mim, á medida que eu me enterrava lentamente na areia...
- Ele não merecia uma morte assim... - soluçei eu, mais uma vez, desgostoso - Merecia... Merecia muito mais...
- Meu, ouve... - disse Brandon, sem saber bem o que dizer - Temos de seguir em frente... Era o que ele quereria...
Pôs a mão no meu ombro, mas de imediato a retirou, queimado:
- Estás a ferver - exclamou ele, olhando para o chão e vendo a areia chamuscada - Anda, vamos...
Ignorando as queimaduras que eu lhe provocava, Brandon ergueu-me e ajudou-me a percorrer o caminho que nos separava até a uma gruta que Brandon tinha avistado durante a fuga. Sentia-me fraco, sem força nenhuma e cheio de febre. Tinha a noção que o meu braço estava a queimar profundamente Brandon, e queria seguir sozinho, mas não conseguia. E foi então que vi uma luz forte e o meu corpo embateu com um baque profundo no chão.
avatar
Maighel Fox


Dracmas : 38,5
Poder : Sol
Pégaso : Nenhum

Ficha Meio-Sangue
Estratégia:
10/1000  (10/1000)
Conhecimento:
10/1000  (10/1000)
Nível:
1/5  (1/5)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Maighel Fox em Seg Jan 23, 2012 11:00 pm


*

O palácio branco reluzia numa cor prateada, salteando as nuvens um pouco abaixo da base do edíficio de pinceladas brilhantes. Acima do céu, o belo palácio brilhava sobre um sol abrasador, mas ao mesmo tempo reconfortante. Maighel abriu os olhos e olhou para a fachada grandiosa do edíficio, aonde já antes tinha estado, para entregar algo muito especial á pessoa com quem sonhara durante muitos anos... O seu pai.
- Mas que ... - começou Maighel por dizer, mas deteve-se, ao ver as velhas portas de carvalho a abrirem-se.
Caminhou a passos largos para dentro do grandioso hall do palácio, e olhou para os doze tronos em forma de U invertido, tal como as cabanas da Colónia, muitos metros abaixo. Todos os deuses ocupavam os seus lugares, incluindo Hades, que ocupava um trono improvisado, ao lado do trono de Ártemis, o que destoava bastante, visto as cores negras dele ressaltarem á vista com o tom prateado da gémea do meu pai, Apolo. No lado oposto, reconheci uma bela mulher, que podia perfeitamente rivalizar com Afrodite... Era a sua mulher, Perséfone. Esta ergueu-se de imediato:
- O Marphin - perguntou ela - Ele... Ele está bem ?
Pela primeira vez desde que estava ali, no Olimpo, senti um sentimento rugir no meu interior... Lembrar-me de Marphin, do seu olhar de choque á medida que era trespassado pelo Ctónico.
- Mu'hau - murmurei eu, apercebendo-me de que dissera algo incrompeensível.
- Ahn ? - perguntou Perséfone, que, apesar do ar surpreendido, continuava com o rosto pesado de preocupação.
Tomei fôlego, e suspirei antes de dizer:
- O Marphin... Morreu.
Foi incrivel sentir o choque apoderar-se por entre os deuses. Hermes levantou-se com o choque enquanto Deméter esboçou um ar completamente desnorteado. Perséfone começou a chorar e perguntou-me.
- Como ?
- Foi um Ctónico... Foi... Foi tudo muito rápido, e ele não pode reagir. Eu...
- Tu acabaste por explodir uma ilha inteira com uma Super-Nova - interviu o meu pai, olhando para mim, com um sentimento metade divertido, metade severo - E acabaste por transformar o seu corpo em cinzas.
- Eu... Eu não o fiz porque quis ! - exclamei eu, indignado - Foi a raiva, não consegui controlar...
- E quase ias matando o Brandon - disse Atena, olhando-me com um ar superior - E arruinando a missão.
- BASTA ! - exclamou Perséfone - A culpa não é do miúdo. Eu própria não me conteria ao ver alguém tão próximo ser morto á minha frente. E penso que nenhum de vós. - os deuses entreolharam-se, surpreendidos com a súbita ira de Perséfone - Hades, reúne todos os Ctónicos do Tártaro e trata de descobrir quem os mandou matar, tanto o meu filho como o Brandon e o Maighel.
Hades enrugou o queixo, num ar inquisitor:
- Achas mesmo que eles me vão contar ? Para o fazerem, devem ter um servo a quem obedecem mais do que a mim, e, se assim for, nunca me irão responder.
- A quem obedeceriam mais do que a um dos 3 grandes ? - questionou Perséfone.
Seguiu-se um silêncio profundo, diante do qual se seguiu um breve murmurar de Díonisio, que parecia ter viajado da Colónia.
- Titãs ?
Todos os deuses na sala estremeceram, incluindo Zeus, mas Perséfone manteve-se firme, mordiscando o lábio inferior e dizendo:
- Então impõe-te como Senhor da Morte, e arranca-lhes qualquer coisa.
Apolo olhou para mim, enquanto Deméter olhava para ele, com um ar apoiante.
- Acho que está na altura de regressares. O teu amigo está preocupado.
E com um flash de luz, tudo se desvaneceu.
avatar
Maighel Fox


Dracmas : 38,5
Poder : Sol
Pégaso : Nenhum

Ficha Meio-Sangue
Estratégia:
10/1000  (10/1000)
Conhecimento:
10/1000  (10/1000)
Nível:
1/5  (1/5)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pedido de Missão (Oráculo)

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum